← Voltar à página de publicações

Circuncisão: o que é e por que deve ser feita

5 de Agosto de 2019

A remoção da pele que cobre a cabeça do pênis facilita a higienização e diminui a incidência de infecções.

A circuncisão é o procedimento de remoção cirúrgica do prepúcio, pele que recobre a cabeça do pênis. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, a maioria dessas cirurgias é realizada até os 5 anos por motivos médicos.

O principal objetivo da cirurgia de  fimose  é remover o excesso de pele do órgão sexual masculino, que pode causar dor nas relações sexuais ou inflamações constantes.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 37% dos homens no mundo são circuncisados.  De acordo com o urologista Carlos Watanabe, a circuncisão facilita a higienização, diminui a incidência de infecções urinárias e também previne doenças sexualmente transmissíveis, como a Aids e a contaminação pelo vírus HPV. “Também há evidências de que pacientes circuncisados têm menor chance de desenvolverem  câncer de pênis , e suas parceiras também apresentam menor probabilidade de apresentar câncer de colo no útero”, afirma o médico.

A OMS recomenda a circuncisão em países com alta prevalência de HIV, especialmente na África Subsaariana. “Nos pacientes não circuncisados, o espaço entre o prepúcio e a glande serve para que se acumulem secreções, que aumentam o número de microorganismos, gerando inflamações locais. Além disso, o próprio prepúcio é mais frágil e pode sofrer pequenos traumas durante a atividade sexual, servindo como porta de entrada para vírus e bactérias”, esclarece o urologista.

Algumas perguntas e fatos:

O que é a circuncisão?

A circuncisão ou postectomia, é o procedimento de remoção cirúrgica do prepúcio, pele que recobre a glande.

Há dados sobre circuncisão no Brasil?

Sim. Em estudo publicado em 2012 com dados do Datasus de 1984 a 2010, foi demonstrado que a maioria das circuncisões foi realizada até os 5 anos de idade por motivos médicos, voltando a ser mais realizadas na sexta década de vida. No período de avaliação do estudo, a taxa de circuncisão na população atendida pelo SUS foi de menos de 2%. Estima-se que cerca de 37% dos homens no mundo todo sejam circuncisados. E esse número é maior especialmente em países islâmicos por motivos culturais e religiosos. Nos Estados Unidos, estima-se que cerca de 80% da população seja circuncisada.

Quando está indicado fazer a cirurgia de fimose?

As indicações mais comuns são para tratamento de fimose (formação de anel que dificulta a exposição do pênis), dor a relação sexual (especialmente em pacientes mais jovens com excesso de pele), balanopostite recorrente (inflamação da glande do pênis) e por motivo estético. 

Como é o procedimento? Pode ser feito em qualquer idade? Tem idade ideal?

O procedimento é feito com anestesia (local ou local com sedação) e é removido o excesso de prepúcio. A técnica cirúrgica e o uso de dispositivos dependerá da idade do paciente e preferência do cirurgião. O mais importante é que seja realizado por profissional qualificado, o que determina menor chance de complicações. Pode ser realizado em qualquer idade, e a indicação na primeira infância é motivo de discussão entre as sociedades médicas. De qualquer forma, deve-se pesar a indicação médica e a discussão dos riscos e benefícios. Em alguns países, por motivos culturais ou religiosos o procedimento é realizado ainda no período neonatal. Alguns especialistas indicam o procedimento nessa idade pela maior facilidade de cuidados após o procedimento e os benefícios do procedimento que se estendem para os anos seguintes de vida.

É verdade que há redução nos casos de hiv para homens circuncisados? Por que?

A WHO (World Health Organization) passou a recomendar a circuncisão em países com alta prevalência de HIV, especialmente aqueles localizados na África sub-Sahariana. Essa recomendação foi baseada em estudos que mostram redução no risco de transmissão em até 60% do vírus em populações submetidas ao procedimento quando comparadas com aqueles que não são circuncisados.

Nos pacientes não-circuncisados, o espaço entre o prepúcio e a glande permite que se acumulem secreções o que permite o crescimento de microorganismos como fundos e bactérias e facilita inflamações locais. Além disso, o próprio prepúcio é mais frágil e pode sofrer pequenos traumas durante a atividade sexual que servem de porta de entrada para infecções e doenças sexualmente transmissíveis. Acredita-se que a remoção do excesso de prepúcio diminui essa porta de entrada.

Mas é muito importante ressaltar que a circuncisão não pode ser considerada isoladamente como método protetor. A educação sobre doença sexualmente transmissível, o fornecimento e a utilização de preservativos e a orientação para a vida sexual segura são fundamentais para a prevenção.

AGENDAR CONSULTA

Horários de Atendimento

Segunda a Sexta

08h00 às 18h00

Sábado

08h00 às 16h00